Livros digitais - narração de histórias

Depois de percorrer um longo caminho narrativo colaborativo, os nossos grupos de foco locais desenvolveram esses Livros Digitais que nos falam sobre as diferentes interpretações e perspetivas que as nossas gerações mais velhas têm de nossa sociedade e a bagagem cultural, com um foco especial nas questões de género.

Eles(as) partilharam connosco as suas crenças sobre o papel das mulheres ao longo e em diferentes períodos específicos da história europeia nesses livros introspetivos e autorreflexivos.

Elvira Kralj
1900 – 1978

Agradável, terna e tolerante
Eu sou Elvira Kralj, uma atriz. Comecei a atuar aos cinco anos de idade quando interpretei a Cinderela num palco em Trieste. Depois de completar os meus estudos na Escola Elementar Alemã local e dois anos de estudos na Escola Superior Alemã de Comércio para Meninas, trabalhei numa firma de advogados em Trieste. Mais tarde, licenciei-me numa escola de teatro. Em 1919 juntei-me ao conjunto de atores do Teatro Maribor. Após o início da Segunda Guerra Mundial e a chegada dos invasores alemães, retirei-me para Ljubljana. Interpretei mais de 200 papéis no Teatro Maribor, e comecei a trabalhar no Teatro Drama de Ljubljana, o teatro nacional. Retratei de forma convincente uma multidão de diferentes personagens femininas, desde uma avó amável, uma tia simpática, uma mãe...
continue lendo

Elvira Kralj
1900 – 1978

Agradável, terna e tolerante
Eu sou Elvira Kralj, uma atriz. Comecei a atuar aos cinco anos de idade quando interpretei a Cinderela num palco em Trieste. Depois de completar os meus estudos na Escola Elementar Alemã local e dois anos de estudos na Escola Superior Alemã de Comércio para Meninas, trabalhei numa firma de advogados em Trieste. Mais tarde, licenciei-me numa escola de teatro. Em 1919 juntei-me ao conjunto de atores do Teatro Maribor. Após o início da Segunda Guerra Mundial e a chegada dos invasores alemães, retirei-me para Ljubljana. Interpretei mais de 200 papéis no Teatro Maribor, e comecei a trabalhar no Teatro Drama de Ljubljana, o teatro nacional. Retratei de forma convincente uma multidão de diferentes personagens femininas, desde uma avó amável, uma tia simpática, uma mãe...
continue lendo

Elvira Kralj
1900 – 1978

Agradável, terna e tolerante
Eu sou Elvira Kralj, uma atriz. Comecei a atuar aos cinco anos de idade quando interpretei a Cinderela num palco em Trieste. Depois de completar os meus estudos na Escola Elementar Alemã local e dois anos de estudos na Escola Superior Alemã de Comércio para Meninas, trabalhei numa firma de advogados em Trieste. Mais tarde, licenciei-me numa escola de teatro. Em 1919 juntei-me ao conjunto de atores do Teatro Maribor. Após o início da Segunda Guerra Mundial e a chegada dos invasores alemães, retirei-me para Ljubljana. Interpretei mais de...
continue lendo

Marie-Claire Chevalier
1955 – 2022

The one whose trial for illegal abortion changed the law against abortion in France
Em 1971, Marie-Claire Chevalier tinha 16 anos de idade quando engravidou após ter sido violada no liceu por um rapaz dois anos mais velho que ela. A jovem mulher pediu à sua mãe para a ajudar a fazer um aborto. A mãe recorreu a um médico da clandestinidade, mas a sua filha sofreu uma hemorragia que a obrigou a ir para o hospital. O seu violador, preso por roubar um carro, decide entregá-la contrariando a sua própria liberdade. Ela é imediatamente acusada, tal como quatro outras mulheres, incluindo a sua mãe, porque em 1971 a interrupção voluntária de uma gravidez era ilegal em França e punível com seis meses a dois anos de prisão. Foi então condenada no julgamento de Bobigny e todas foram defendidas pela advogada Gisèle Halimi.

Gisèle Halimi fez deste julgamento e de Marie-Claire Chevalier um símbolo político para o direito ao aborto. O caso marcará para sempre a história francesa e simbolizará um verdadeiro progresso para os direitos das mulheres. Extremamente mediatizado, o julgamento seguido de perto por muitas personalidades termina com uma brilhante vitória. Três anos mais tarde este julgamento, as coisas começaram a mexer-se. Este acontecimento contribuiu para a adoção da lei do véu e para a legalização do aborto em França, em 1975.
continue lendo

Marie-Claire Chevalier
1955 – 2022

The one whose trial for illegal abortion changed the law against abortion in France
Em 1971, Marie-Claire Chevalier tinha 16 anos de idade quando engravidou após ter sido violada no liceu por um rapaz dois anos mais velho que ela. A jovem mulher pediu à sua mãe para a ajudar a fazer um aborto. A mãe recorreu a um médico da clandestinidade, mas a sua filha sofreu uma hemorragia que a obrigou a ir para o hospital. O seu violador, preso por roubar um carro, decide entregá-la contrariando a sua própria liberdade. Ela é imediatamente acusada, tal como quatro outras mulheres, incluindo a sua mãe, porque em 1971 a interrupção voluntária de uma gravidez era ilegal em França e punível com seis meses a dois anos de prisão. Foi então condenada no julgamento de Bobigny e todas foram defendidas pela advogada Gisèle Halimi.

Gisèle Halimi fez deste julgamento e de Marie-Claire Chevalier um símbolo político para o direito ao aborto. O caso marcará para sempre a história francesa e simbolizará um verdadeiro progresso para os direitos das mulheres. Extremamente mediatizado, o julgamento seguido de perto por muitas personalidades termina com uma brilhante vitória. Três anos mais tarde este julgamento, as coisas começaram a mexer-se. Este acontecimento contribuiu para a adoção da lei do véu e para a legalização do aborto em França, em 1975.
continue lendo

Marie-Claire Chevalier
1955 – 2022

The one whose trial for illegal abortion changed the law against abortion in France
Em 1971, Marie-Claire Chevalier tinha 16 anos de idade quando engravidou após ter sido violada no liceu por um rapaz dois anos mais velho que ela. A jovem mulher pediu à sua mãe para a ajudar a fazer um aborto. A mãe recorreu a um médico da clandestinidade, mas a sua filha sofreu uma hemorragia que a obrigou a ir para o hospital. O seu violador, preso por roubar um carro, decide entregá-la contrariando a sua própria liberdade. Ela é imediatamente acusada, tal como quatro outras mulheres, incluindo a sua mãe, porque em 1971 a interrupção voluntária de uma gravidez era ilegal em França e punível com seis meses a dois anos de prisão. Foi então condenada no julgamento de Bobigny e todas foram defendidas...
continue lendo

Maria Lejárraga
1874 – 1974

Ela escrevia e o seu marido colhia a glória, fama e dinheiro!
María de la Salud Bernaldo de Quirós y Bustillo foi a primeira mulher espanhola a obter uma licença de piloto e a tirar partido da Lei do Divórcio da República.

Ela vinha de uma família aristocrática e a sua infância e juventude não foram muito diferentes das de outros jovens da alta sociedade. Recebeu uma boa educação, mas, desde muito jovem, sentiu-se atraída pela aviação.

Aos 20 anos de idade casou com o seu primo. Tiveram 2 filhos que morreram pouco depois da morte do seu marido (2 anos após o casamento). Quando superou essa enorme tragédia, voltou a casar, seguindo os hábitos sociais das famílias da sua classe. O seu marido provinha de uma família rica e depressa se tornou presidente da Câmara de Ciudad Rodrigo na província de Salamanca, fazendo de Maria uma “primeira dama”. Ela desempenhou as suas funções com grande zelo, concentrando-se principalmente em iniciativas de caridade. Ao mesmo tempo, graças às suas amizades nos círculos da aviação, decidiu seguir a sua vocação e iniciou a sua formação ao lado do instrutor de voo José Rodríguez y Díaz de Lecea. Quando Maria se inscreveu no Royal Aero Club de Espanha, era a única mulher entre dezoito estudantes.
continue lendo

Maria Lejárraga
1874 – 1974

Ela escrevia e o seu marido colhia a glória, fama e dinheiro!
María de la Salud Bernaldo de Quirós y Bustillo foi a primeira mulher espanhola a obter uma licença de piloto e a tirar partido da Lei do Divórcio da República.

Ela vinha de uma família aristocrática e a sua infância e juventude não foram muito diferentes das de outros jovens da alta sociedade. Recebeu uma boa educação, mas, desde muito jovem, sentiu-se atraída pela aviação.

Aos 20 anos de idade casou com o seu primo. Tiveram 2 filhos que morreram pouco depois da morte do seu marido (2 anos após o casamento). Quando superou essa enorme tragédia, voltou a casar, seguindo os hábitos sociais das famílias da sua classe. O seu marido provinha de uma família rica e depressa se tornou presidente da Câmara de Ciudad Rodrigo na província de Salamanca, fazendo de Maria uma “primeira dama”. Ela desempenhou as suas funções com grande zelo, concentrando-se principalmente em iniciativas de caridade. Ao mesmo tempo, graças às suas amizades nos círculos da aviação, decidiu seguir a sua vocação e iniciou a sua formação ao lado do instrutor de voo José Rodríguez y Díaz de Lecea. Quando Maria se inscreveu no Royal Aero Club de Espanha, era a única mulher entre dezoito estudantes.
continue lendo

Maria Lejárraga
1874 – 1974

Ela escrevia e o seu marido colhia a glória, fama e dinheiro!
María de la Salud Bernaldo de Quirós y Bustillo foi a primeira mulher espanhola a obter uma licença de piloto e a tirar partido da Lei do Divórcio da República.

Ela vinha de uma família aristocrática e a sua infância e juventude não foram muito diferentes das de outros jovens da alta sociedade. Recebeu uma boa educação, mas, desde muito jovem, sentiu-se atraída pela aviação.

Aos 20 anos de idade casou com o seu primo. Tiveram 2 filhos que morreram pouco depois da morte do seu marido (2 anos após o casamento). Quando superou essa enorme tragédia, voltou a casar....
continue lendo

María Bernaldo de Quirós
1898 – 1983

"À medida que a opinião pública evolui, as pessoas vão perceber que as mulheres podem fazer mais do que apenas bordar".
María de la Salud Bernaldo de Quirós y Bustillo foi a primeira mulher espanhola a obter uma licença de piloto e a tirar partido da Lei do Divórcio da República.

Ela vinha de uma família aristocrática e a sua infância e juventude não foram muito diferentes das de outros jovens da alta sociedade. Recebeu uma boa educação, mas, desde muito jovem, sentiu-se atraída pela aviação.

Aos 20 anos de idade casou com o seu primo. Tiveram 2 filhos que morreram pouco depois da morte do seu marido (2 anos após o casamento). Quando superou essa enorme tragédia, voltou a casar, seguindo os hábitos sociais das famílias da sua classe. O seu marido provinha de uma família rica e depressa se tornou presidente da Câmara de Ciudad Rodrigo na província de Salamanca, fazendo de Maria uma “primeira dama”. Ela desempenhou...
continue lendo

María Bernaldo de Quirós
1898 – 1983

"À medida que a opinião pública evolui, as pessoas vão perceber que as mulheres podem fazer mais do que apenas bordar".
María de la Salud Bernaldo de Quirós y Bustillo foi a primeira mulher espanhola a obter uma licença de piloto e a tirar partido da Lei do Divórcio da República.

Ela vinha de uma família aristocrática e a sua infância e juventude não foram muito diferentes das de outros jovens da alta sociedade. Recebeu uma boa educação, mas, desde muito jovem, sentiu-se atraída pela aviação.

Aos 20 anos de idade casou com o seu primo. Tiveram 2 filhos que morreram pouco depois da morte do seu marido (2 anos após o casamento). Quando superou essa enorme tragédia, voltou a casar, seguindo os hábitos sociais das famílias da sua classe. O seu marido provinha de uma família rica e depressa se tornou presidente da Câmara de Ciudad Rodrigo na província de Salamanca, fazendo de Maria uma “primeira dama”. Ela desempenhou...
continue lendo

María Bernaldo de Quirós
1898 – 1983

"À medida que a opinião pública evolui, as pessoas vão perceber que as mulheres podem fazer mais do que apenas bordar".
María de la Salud Bernaldo de Quirós y Bustillo foi a primeira mulher espanhola a obter uma licença de piloto e a tirar partido da Lei do Divórcio da República.

Ela vinha de uma família aristocrática e a sua infância e juventude não foram muito diferentes das de outros jovens da alta sociedade. Recebeu uma boa educação, mas, desde muito jovem, sentiu-se atraída pela aviação...
continue lendo

María Goyri
1873 – 1954

O facto de ser mulher coloca-a no fundo e na sombra do famoso homem - o seu marido.
Investigadora, filóloga, educadora, escritora e defensora ativa dos direitos da mulher. É a primeira mulher a formar-se numa universidade espanhola com uma licenciatura em filosofia e escrita. Os seus estudos sobre baladas espanholas, realizados com o seu marido Ramón Menéndez Pidal, lançaram as bases para a investigação na área, embora apenas o nome do seu marido se tenha tornado conhecido. Foi também uma das primeiras mulheres a ir a um ginásio para combater a artrite de que sofria desde tenra idade, uma atividade muito invulgar para uma rapariga naquela época.

Maria Goyri nasceu em Madrid e foi criada pela sua mãe. Ela certificou-se também de que a sua filha recebia uma educação muito bem planeada e organizada em casa. Só aos 12 anos de idade é que ela entrou para a Associação para a Educação da Mulher e se inscreveu na Escola de Comércio, onde obteve os títulos de Governadora e Professora de Comércio. Ela combinou estes estudos com as aulas da Escola Normal Central, que lhe concedeu o título de professora...
continue lendo

María Goyri
1873 – 1954

O facto de ser mulher coloca-a no fundo e na sombra do famoso homem - o seu marido.
Investigadora, filóloga, educadora, escritora e defensora ativa dos direitos da mulher. É a primeira mulher a formar-se numa universidade espanhola com uma licenciatura em filosofia e escrita. Os seus estudos sobre baladas espanholas, realizados com o seu marido Ramón Menéndez Pidal, lançaram as bases para a investigação na área, embora apenas o nome do seu marido se tenha tornado conhecido. Foi também uma das primeiras mulheres a ir a um ginásio para combater a artrite de que sofria desde tenra idade, uma atividade muito invulgar para uma rapariga naquela época.

Maria Goyri nasceu em Madrid e foi criada pela sua mãe. Ela certificou-se também de que a sua filha recebia uma educação muito bem planeada e organizada em casa. Só aos 12 anos de idade é que ela entrou para a Associação para a Educação da Mulher e se inscreveu na Escola de Comércio, onde obteve os títulos de Governadora e Professora de Comércio. Ela combinou estes estudos com as aulas da Escola Normal Central, que lhe concedeu o título de professora...
continue lendo

María Goyri
1873 – 1954

O facto de ser mulher coloca-a no fundo e na sombra do famoso homem - o seu marido.
Investigadora, filóloga, educadora, escritora e defensora ativa dos direitos da mulher. É a primeira mulher a formar-se numa universidade espanhola com uma licenciatura em filosofia e escrita. Os seus estudos sobre baladas espanholas, realizados com o seu marido Ramón Menéndez Pidal, lançaram as bases para a investigação na área, embora apenas o nome do seu marido se tenha tornado conhecido. Foi também uma das primeiras mulheres a ir a um ginásio para combater a artrite de que sofria desde tenra idade, uma atividade muito invulgar para uma rapariga naquela época....
continue lendo

Elisabeta Rizea
1912 – 2003

Apesar de sofrer tortura intensiva, continuou a defender as suas crenças e apoiou um grupo de partidários anti-comunistas.
Elisabeta nasceu numa família de camponeses (Șuța) numa aldeia no sul da Roménia – Domnești, Argeș condado. Casou-se aos 19 anos e adotou o apelido do seu marido, Gheorghe Rizea.

Foi colocada no caminho certo para uma vida campestre comum, mas mal sabia ela que o fim da Segunda Guerra Mundial significaria o início da sua própria guerra com as autoridades comunistas, imposta pelo exército soviético durante esse tempo. O seu tio, um líder local do Partido Nacional dos Camponeses, foi morto pela polícia secreta, o que levou o seu marido a juntar-se a um grupo guerrilheiro anticomunista, liderado pelo Coronel Gheorghe Arsenescu. Assim, Elisabeta tornou-se informadora e fornecedora de mantimentos para o grupo...
continue lendo

Elisabeta Rizea
1912 – 2003

Apesar de sofrer tortura intensiva, continuou a defender as suas crenças e apoiou um grupo de partidários anti-comunistas.
Elisabeta nasceu numa família de camponeses (Șuța) numa aldeia no sul da Roménia – Domnești, Argeș condado. Casou-se aos 19 anos e adotou o apelido do seu marido, Gheorghe Rizea.

Foi colocada no caminho certo para uma vida campestre comum, mas mal sabia ela que o fim da Segunda Guerra Mundial significaria o início da sua própria guerra com as autoridades comunistas, imposta pelo exército soviético durante esse tempo. O seu tio, um líder local do Partido Nacional dos Camponeses, foi morto pela polícia secreta, o que levou o seu marido a juntar-se a um grupo guerrilheiro anticomunista, liderado pelo Coronel Gheorghe Arsenescu. Assim, Elisabeta tornou-se informadora e fornecedora de mantimentos para o grupo...
continue lendo

Elisabeta Rizea
1912 – 2003

Apesar de sofrer tortura intensiva, continuou a defender as suas crenças e apoiou um grupo de partidários anti-comunistas.
Elisabeta nasceu numa família de camponeses (Șuța) numa aldeia no sul da Roménia – Domnești, Argeș condado. Casou-se aos 19 anos e adotou o apelido do seu marido, Gheorghe Rizea.

Foi colocada no caminho certo para uma vida campestre comum, mas mal sabia ela que o fim da Segunda Guerra Mundial significaria o início da sua própria guerra com as autoridades comunistas, imposta pelo exército soviético durante esse tempo. O seu tio, um líder local do Partido Nacional dos Camponeses, foi morto pela polícia secreta, o que levou o seu marido...
continue lendo

Florica Bagdasar
1901 – 1978

Uma médica, uma política, a primeira ministra na Roménia, uma pessoa que levou à mudança em todo o lado onde esteve.
Florica Bagdasar, nasceu sob o nome de Ciumetti, em Monastir, em território atualmente macedónio, numa família macedo-romena – romenos originários do Sul do Danúbio. Devido à I Guerra Mundial, a família mudou-se muito e depois de frequentar diferentes escolas secundárias, formou-se em 1925 na Faculdade de Medicina de Bucareste.

Em 1927 casou com um colega médico, Dumitru Bagdasar, com o qual partiu de seguida para estudar nos EUA, na Universidade de Harvard. Enquanto lá esteve, recebeu uma bolsa Rockefeller e especializou-se em neurocirurgia. Após o seu regresso à Roménia, abriram em Bucareste uma clínica de neurocirurgia, que geriram como uma equipa. Mais adiante no seu caminho profissional, escolheu especializar-se em neuropsiquiatria infantil – uma especialidade que promoverá também durante o seu cargo de professora – e elaborou vários materiais educativos para crianças...
continue lendo

Florica Bagdasar
1901 – 1978

Uma médica, uma política, a primeira ministra na Roménia, uma pessoa que levou à mudança em todo o lado onde esteve.
Florica Bagdasar, nasceu sob o nome de Ciumetti, em Monastir, em território atualmente macedónio, numa família macedo-romena – romenos originários do Sul do Danúbio. Devido à I Guerra Mundial, a família mudou-se muito e depois de frequentar diferentes escolas secundárias, formou-se em 1925 na Faculdade de Medicina de Bucareste.

Em 1927 casou com um colega médico, Dumitru Bagdasar, com o qual partiu de seguida para estudar nos EUA, na Universidade de Harvard. Enquanto lá esteve, recebeu uma bolsa Rockefeller e especializou-se em neurocirurgia. Após o seu regresso à Roménia, abriram em Bucareste uma clínica de neurocirurgia, que geriram como uma equipa. Mais adiante no seu caminho profissional, escolheu especializar-se em neuropsiquiatria infantil – uma especialidade que promoverá também durante o seu cargo de professora – e elaborou vários materiais educativos para crianças...
continue lendo

Florica Bagdasar
1901 – 1978

Uma médica, uma política, a primeira ministra na Roménia, uma pessoa que levou à mudança em todo o lado onde esteve.
Florica Bagdasar, nasceu sob o nome de Ciumetti, em Monastir, em território atualmente macedónio, numa família macedo-romena – romenos originários do Sul do Danúbio. Devido à I Guerra Mundial, a família mudou-se muito e depois de frequentar diferentes escolas secundárias, formou-se em 1925 na Faculdade de Medicina de Bucareste.

Em 1927 casou com um colega médico, Dumitru Bagdasar, com o qual partiu de seguida para estudar nos EUA, na Universidade de Harvard..
continue lendo

Dimitrana Ivanova
1881 – 1960

Se pretende saber o que é a perseverança, veja a sua história.
Dimitrana Ivanova, nascida Petrova, era a filha de um artesão e comerciante e da filha de um padre. Nasceu em Rousse, uma grande cidade na Bulgária na altura, e formou-se no liceu para raparigas de lá. Casou-se com Doncho Ivanov em 1914, tornando-se assim Dimitrana Ivanova.

Porque na altura o liceu para raparigas tinha menos uma nota do que o dos rapazes, isto servia como pretexto para negar às mulheres o acesso ao ensino superior na Universidade Búlgara em Sófia, pelo que Dimitrana não teve outra escolha senão matricular-se numa universidade estrangeira, nomeadamente a Universidade de Zurique na Suíça, onde teve aulas de pedagogia e filosofia. Devido a várias tragédias familiares e à falência da sua família, teve de regressar a casa antes do seu exame final e não pôde voltar para o fazer, pelo que não se licenciou. Foi obrigada a procurar emprego e tornou-se professora, passando todos os exames legalmente exigidos para o efeito...
continue lendo

Dimitrana Ivanova
1881 – 1960

Se pretende saber o que é a perseverança, veja a sua história.
Dimitrana Ivanova, nascida Petrova, era a filha de um artesão e comerciante e da filha de um padre. Nasceu em Rousse, uma grande cidade na Bulgária na altura, e formou-se no liceu para raparigas de lá. Casou-se com Doncho Ivanov em 1914, tornando-se assim Dimitrana Ivanova.

Porque na altura o liceu para raparigas tinha menos uma nota do que o dos rapazes, isto servia como pretexto para negar às mulheres o acesso ao ensino superior na Universidade Búlgara em Sófia, pelo que Dimitrana não teve outra escolha senão matricular-se numa universidade estrangeira, nomeadamente a Universidade de Zurique na Suíça, onde teve aulas de pedagogia e filosofia. Devido a várias tragédias familiares e à falência da sua família, teve de regressar a casa antes do seu exame final e não pôde voltar para o fazer, pelo que não se licenciou. Foi obrigada a procurar emprego e tornou-se professora, passando todos os exames legalmente exigidos para o efeito...
continue lendo

Dimitrana Ivanova
1881 – 1960

Se pretende saber o que é a perseverança, veja a sua história.
Dimitrana Ivanova, nascida Petrova, era a filha de um artesão e comerciante e da filha de um padre. Nasceu em Rousse, uma grande cidade na Bulgária na altura, e formou-se no liceu para raparigas de lá. Casou-se com Doncho Ivanov em 1914, tornando-se assim Dimitrana Ivanova.

Porque na altura o liceu para raparigas tinha menos uma nota do que o dos rapazes, isto servia como pretexto para negar às mulheres o acesso ao ensino superior na Universidade Búlgara em Sófia, pelo que Dimitrana não teve outra escolha senão matricular-se numa universidade estrangeira, nomeadamente a Universidade de Zurique na Suíça, onde teve aulas...
continue lendo

Thérèse Clerc
1927-2016

Ativista pelos direitos das mulheres idosas, A terceira idade do feminismo
Thérèse Clerc, era uma ativista feminista francesa, nascida a 9 de Dezembro de 1927 em Paris e falecida a 16 de Fevereiro de 2016 em Montreuil, que trabalhava para defender os direitos das mulheres, e mais especificamente os das mulheres mais velhas.

Aos 20 anos de idade, aprendeu a profissão de modista e casou-se com uma pequena empresária que era proprietária de uma empresa de limpeza industrial. Na viragem de Maio de 68, defendeu o aborto livre e a contraceção no seio do movimento MLAC (Movement for Free Abortion and Contraception). Um ano mais tarde, em 1969, divorciou-se do marido e comprou um apartamento em Montreuil, onde efetuou abortos gratuitamente...
continue lendo

Thérèse Clerc
1927-2016

Ativista pelos direitos das mulheres idosas, A terceira idade do feminismo
Thérèse Clerc, era uma ativista feminista francesa, nascida a 9 de Dezembro de 1927 em Paris e falecida a 16 de Fevereiro de 2016 em Montreuil, que trabalhava para defender os direitos das mulheres, e mais especificamente os das mulheres mais velhas.

Aos 20 anos de idade, aprendeu a profissão de modista e casou-se com uma pequena empresária que era proprietária de uma empresa de limpeza industrial. Na viragem de Maio de 68, defendeu o aborto livre e a contraceção no seio do movimento MLAC (Movement for Free Abortion and Contraception). Um ano mais tarde, em 1969, divorciou-se do marido e comprou um apartamento em Montreuil, onde efetuou abortos gratuitamente...
continue lendo

Thérèse Clerc
1927-2016

Ativista pelos direitos das mulheres idosas, A terceira idade do feminismo
Thérèse Clerc, era uma ativista feminista francesa, nascida a 9 de Dezembro de 1927 em Paris e falecida a 16 de Fevereiro de 2016 em Montreuil, que trabalhava para defender os direitos das mulheres, e mais especificamente os das mulheres mais velhas.

Aos 20 anos de idade, aprendeu a profissão de modista e casou-se com uma pequena empresária que era proprietária de uma empresa de limpeza industrial. Na viragem de Maio de 68, defendeu o aborto livre e a contraceção no seio do movimento MLAC (Movement for Free Abortion and Contraception). Um ano mais tarde, em 1969, divorciou-se do marido e comprou um apartamento em Montreuil, onde efetuou abortos gratuitamente...
continue lendo

Rosalind Franklin
1920 – 1958

Bióloga britânica e pioneira do ADN
A 18 de Outubro de 1962, o Prémio Nobel da Medicina foi atribuído a três homens, James Watson, Francis Crick e Maurice Wilkins, pela descoberta da estrutura de dupla hélice do ADN. Contudo, esta descoberta foi possível graças à investigação de Rosalind Franklin, uma química britânica e pioneira da biologia molecular, que formulou a estrutura helicoidal do ADN num relatório inédito.

Em 1951, Rosalind Franklin assumiu um posto no King’s College London e trabalhou na estrutura do ADN em colaboração com o físico Maurice Wilkins. Através da sua pesquisa, foi a primeira a demonstrar a estrutura de dupla hélice do ADN...
continue lendo

Rosalind Franklin
1920 – 1958

Bióloga britânica e pioneira do ADN
A 18 de Outubro de 1962, o Prémio Nobel da Medicina foi atribuído a três homens, James Watson, Francis Crick e Maurice Wilkins, pela descoberta da estrutura de dupla hélice do ADN. Contudo, esta descoberta foi possível graças à investigação de Rosalind Franklin, uma química britânica e pioneira da biologia molecular, que formulou a estrutura helicoidal do ADN num relatório inédito.

Em 1951, Rosalind Franklin assumiu um posto no King’s College London e trabalhou na estrutura do ADN em colaboração com o físico Maurice Wilkins. Através da sua pesquisa, foi a primeira a demonstrar a estrutura de dupla hélice do ADN...
continue lendo

Rosalind Franklin
1920 – 1958

Bióloga britânica e pioneira do ADN
A 18 de Outubro de 1962, o Prémio Nobel da Medicina foi atribuído a três homens, James Watson, Francis Crick e Maurice Wilkins, pela descoberta da estrutura de dupla hélice do ADN. Contudo, esta descoberta foi possível graças à investigação de Rosalind Franklin, uma química britânica e pioneira da biologia molecular, que formulou a estrutura helicoidal do ADN num relatório inédito.

Em 1951, Rosalind Franklin assumiu um posto no King’s College London e trabalhou na estrutura do ADN em colaboração com o físico Maurice Wilkins. Através da sua pesquisa, foi a primeira a demonstrar a estrutura de dupla hélice do ADN...
continue lendo

Franca Rame
1929 – 2013

Atriz, escritora e ativista para que os direitos das mulheres sejam considerados e respeitados
Franca era de Villastanza, Milão, nascida numa família com antigas tradições teatrais, na sua maioria relacionadas com teatro de fantoches e marionetas, datadas dos anos 1600: o seu pai era ator e a sua mãe foi primeiro professora, depois atriz. A 24 de Junho de 1954, casou com o ator Dario Fo. Da sua união a 31 de Março de 1955, nasceu em Roma o seu filho Jacopo. A parceria artística Fo-Rame durou mais de cinquenta anos, com centenas de espetáculos em diferentes géneros: farsa e commedia dell’arte (incluindo “Isabella, tre caravelle e un cacciaballe”, de 1963, em que pela primeira vez o protagonista é uma “giullaressa” uma figura masculina típica (giullare, em inglês bobo) interpretada por uma mulher e feminizada no seu nome); teatro político (incluindo “Bandiere rosse a Mirafiori – basta con i fascisti! ” por Fo, Rame e Lanfranco Binni, 1973); teatro civil e social, incluindo “Lo stupro” (a violação), que é a demonstração mais dramática de como o teatro foi para ela a forma de transformar a experiência. O monólogo evoca num estilo seco a violência que a artista sofreu em 1973 por cinco neofascistas em Milão, que seriam condenados muitos anos mais tarde...
continue lendo

Franca Rame
1929 – 2013

Atriz, escritora e ativista para que os direitos das mulheres sejam considerados e respeitados
Franca era de Villastanza, Milão, nascida numa família com antigas tradições teatrais, na sua maioria relacionadas com teatro de fantoches e marionetas, datadas dos anos 1600: o seu pai era ator e a sua mãe foi primeiro professora, depois atriz. A 24 de Junho de 1954, casou com o ator Dario Fo. Da sua união a 31 de Março de 1955, nasceu em Roma o seu filho Jacopo. A parceria artística Fo-Rame durou mais de cinquenta anos, com centenas de espetáculos em diferentes géneros: farsa e commedia dell’arte (incluindo “Isabella, tre caravelle e un cacciaballe”, de 1963, em que pela primeira vez o protagonista é uma “giullaressa” uma figura masculina típica (giullare, em inglês bobo) interpretada por uma mulher e feminizada no seu nome); teatro político (incluindo “Bandiere rosse a Mirafiori – basta con i fascisti! ” por Fo, Rame e Lanfranco Binni, 1973); teatro civil e social, incluindo “Lo stupro” (a violação), que é a demonstração mais dramática de como o teatro foi para ela a forma de transformar a experiência. O monólogo evoca num estilo seco a violência que a artista sofreu em 1973 por cinco neofascistas em Milão, que seriam condenados muitos anos mais tarde..
continue lendo

Franca Rame
1929 – 2013

Atriz, escritora e ativista para que os direitos das mulheres sejam considerados e respeitados
Franca era de Villastanza, Milão, nascida numa família com antigas tradições teatrais, na sua maioria relacionadas com teatro de fantoches e marionetas, datadas dos anos 1600: o seu pai era ator e a sua mãe foi primeiro professora, depois atriz. A 24 de Junho de 1954, casou com o ator Dario Fo. Da sua união a 31 de Março de 1955, nasceu em Roma o seu filho Jacopo. A parceria artística Fo-Rame durou mais de cinquenta anos, com centenas de espetáculos em diferentes géneros: farsa e commedia dell’arte (incluindo “Isabella, tre caravelle e un cacciaballe”, de 1963...
continue lendo

Karla Bulovec Mrak
1895 – 1957

A emancipação como um modo de vida
Os meus pais morreram quando eu era jovem, por isso fui educada por Ursulines. Fui escultora e mulher de Ivan Mrak , escritor e dramaturgo esloveno. Em 1917 decidi ser uma artista a fazer desenhos e escultura. Estudei em München, Viena e Praga. Participei em exposições conjuntas com famosos artistas eslovenos e europeus em diferentes países europeus. Adorava Michelangelo e admirava o Rodin’s Thinker. Fui severamente criticada e mal compreendida ao longo da minha vida, mas alguns artistas e historiadores de arte reconheceram o meu valor e apoiaram-me. O meu marido admirava-me e respeitava profundamente, assim como o meu...
continue lendo

Karla Bulovec Mrak
1895 – 1957

A emancipação como um modo de vida
Os meus pais morreram quando eu era jovem, por isso fui educada por Ursulines. Fui escultora e mulher de Ivan Mrak , escritor e dramaturgo esloveno. Em 1917 decidi ser uma artista a fazer desenhos e escultura. Estudei em München, Viena e Praga. Participei em exposições conjuntas com famosos artistas eslovenos e europeus em diferentes países europeus. Adorava Michelangelo e admirava o Rodin’s Thinker. Fui severamente criticada e mal compreendida ao longo da minha vida, mas alguns artistas e historiadores de arte reconheceram o meu valor e apoiaram-me. O meu marido admirava-me e respeitava profundamente, assim como o meu...
continue lendo

Karla Bulovec Mrak
1895 – 1957

A emancipação como um modo de vida
Os meus pais morreram quando eu era jovem, por isso fui educada por Ursulines. Fui escultora e mulher de Ivan Mrak , escritor e dramaturgo esloveno. Em 1917 decidi ser uma artista a fazer desenhos e escultura. Estudei em München, Viena e Praga. Participei em exposições conjuntas com famosos artistas eslovenos e europeus em diferentes países europeus. Adorava Michelangelo e admirava o Rodin’s Thinker. Fui severamente criticada e mal compreendida ao longo da minha vida, mas alguns artistas e historiadores de arte reconheceram o meu valor e apoiaram-me. O meu marido admirava-me e respeitava profundamente, assim como o meu...
continue lendo

Anna Kuliscioff
1855 – 1925

"Espero, pelo triunfo da causa do meu sexo, apenas um pouco mais de solidariedade entre as mulheres".
Anna Kuliscioff, protagonista do socialismo e feminismo italiano, nascida em 1854 em Moskaja, numa família rica de comerciantes judeus, foi encorajada a cultivar os seus estudos com professores privados e interessou-se pela política numa idade muito precoce. Em 1871 mudou-se para Zurique, uma vez que as mulheres foram proibidas de entrar na Universidade na Rússia. Em 1873, os estudantes russos foram forçados a abandonar a Universidade de Zurique, caso contrário, não poderiam ser admitidos no exame final na Rússia. Isto foi uma provocação para as mulheres, pois foram acusadas de irem para o estrangeiro não por razões de estudo, mas por lazer sexual. Na Suíça, conheceu o seu futuro marido Andrea Costa, com quem se mudou para Paris para colaborar com a Kropotkin’s International. Esses foram os anos da mais dura repressão, que assistiu a ambos, vítimas de constantes detenções e julgamentos sumários. Em 1888, em Itália, Kuliscioff continuou o seu estudo especializado em ginecologia, primeiro em Turim, depois em Pádua. A sua tese foi sobre as causas da febre puerperal: primeiro descobriu a origem bacteriana e preparou o caminho para a descoberta que salvaria milhões de mulheres da morte após o parto. Mudou-se então para...
continue lendo

Anna Kuliscioff
1855 – 1925

"Espero, pelo triunfo da causa do meu sexo, apenas um pouco mais de solidariedade entre as mulheres".
Anna Kuliscioff, protagonista do socialismo e feminismo italiano, nascida em 1854 em Moskaja, numa família rica de comerciantes judeus, foi encorajada a cultivar os seus estudos com professores privados e interessou-se pela política numa idade muito precoce. Em 1871 mudou-se para Zurique, uma vez que as mulheres foram proibidas de entrar na Universidade na Rússia. Em 1873, os estudantes russos foram forçados a abandonar a Universidade de Zurique, caso contrário, não poderiam ser admitidos no exame final na Rússia. Isto foi uma provocação para as mulheres, pois foram acusadas de irem para o estrangeiro não por razões de estudo, mas por lazer sexual. Na Suíça, conheceu o seu futuro marido Andrea Costa, com quem se mudou para Paris para colaborar com a Kropotkin’s International. Esses foram os anos da mais dura repressão, que assistiu a ambos, vítimas de constantes detenções e julgamentos sumários. Em 1888, em Itália, Kuliscioff continuou o seu estudo especializado em ginecologia, primeiro em Turim, depois em Pádua. A sua tese foi sobre as causas da febre puerperal: primeiro descobriu a origem bacteriana e preparou o caminho para a descoberta que salvaria milhões de mulheres da morte após o parto. Mudou-se então para...
continue lendo

Anna Kuliscioff
1855 – 1925

"Espero, pelo triunfo da causa do meu sexo, apenas um pouco mais de solidariedade entre as mulheres".
Anna Kuliscioff, protagonista do socialismo e feminismo italiano, nascida em 1854 em Moskaja, numa família rica de comerciantes judeus, foi encorajada a cultivar os seus estudos com professores privados e interessou-se pela política numa idade muito precoce. Em 1871 mudou-se para Zurique, uma vez que as mulheres foram proibidas de entrar na Universidade na Rússia. Em 1873, os estudantes russos foram forçados a abandonar a Universidade de Zurique, caso contrário, não poderiam ser admitidos no exame final na Rússia. Isto foi uma provocação para as mulheres, pois foram...
continue lendo

Ondina Peteani
1925 – 2003

"É bom viver livre"
Ondina Peteani é agora considerada a “primeira” jovem de carreira partidária, mas demorou anos e um trabalho aturado, após a sua morte, para trazer a sua história à luz.

O seu filho Giovanni conta como ela conseguiu escapar do campo de concentração de Ravensbrück, durante uma marcha de prisioneiros. Não era a primeira vez que ela tinha escapado: ela fugira duas vezes antes de chegar à Alemanha. A sua história já seria muito aventureira como é neste momento. Mas Ondina nunca deixou o pesadelo nº 81627 (o seu código em Auschwitz), atrapalhar os seus planos, a sua brilhante ideia de vida. Após a guerra, ela escolheu ser parteira. Juntamente com o seu parceiro Gian Luigi Brusadin, jornalista da “Unità”, organizou a primeira agência da Editori Riuniti, um lugar animado onde as pessoas se podiam encontrar e falar de política. Depois Ondina inventou os campos de férias para crianças e organizou uma cidade de tendas em Maiano após o terramoto do Friuli (1976)...
continue lendo

Ondina Peteani
1925 – 2003

"É bom viver livre"
Ondina Peteani é agora considerada a “primeira” jovem de carreira partidária, mas demorou anos e um trabalho aturado, após a sua morte, para trazer a sua história à luz.

O seu filho Giovanni conta como ela conseguiu escapar do campo de concentração de Ravensbrück, durante uma marcha de prisioneiros. Não era a primeira vez que ela tinha escapado: ela fugira duas vezes antes de chegar à Alemanha. A sua história já seria muito aventureira como é neste momento. Mas Ondina nunca deixou o pesadelo nº 81627 (o seu código em Auschwitz), atrapalhar os seus planos, a sua brilhante ideia de vida. Após a guerra, ela escolheu ser parteira. Juntamente com o seu parceiro Gian Luigi Brusadin, jornalista da “Unità”, organizou a primeira agência da Editori Riuniti, um lugar animado onde as pessoas se podiam encontrar e falar de política. Depois Ondina inventou os campos de férias para crianças e organizou uma cidade de tendas em Maiano após o terramoto do Friuli (1976)...
continue lendo

Ondina Peteani
1925 – 2003

"É bom viver livre"
Ondina Peteani é agora considerada a “primeira” jovem de carreira partidária, mas demorou anos e um trabalho aturado, após a sua morte, para trazer a sua história à luz.

O seu filho Giovanni conta como ela conseguiu escapar do campo de concentração de Ravensbrück, durante uma marcha de prisioneiros. Não era a primeira vez que ela tinha escapado: ela fugira duas vezes antes de chegar à Alemanha...
continue lendo

Marion Dönhoff
1909 – 2002

"Sempre desejei poder ver o dia em que nos pudéssemos juntar de um lado do rio que nos divide para trocar ideias, depois atravessar a ponte juntos e continuar do outro lado".
Marion Condessa Dönhoff foi uma das jornalistas mais influentes da Alemanha do pós-guerra e editora do prestigioso semanário DIE ZEIT durante 30 anos. A nobre mulher altamente educada fugiu da Prússia Oriental durante a invasão russa em 1945 – a cavalo. Anteriormente, ela tinha estado a gerir o património familiar durante vários anos depois de regressar de extensas viagens pela Europa, África e América. Apesar de ter perdido o amor pela sua pátria prussiana oriental, ela promoveu o pensamento de “amar sem possuir”, em vez de defender a recuperação desses territórios. Durante a sua vida, trabalhou ativamente pela reconciliação entre os Estados do Bloco Oriental e do Ocidente, apoiou a política ativa da Alemanha Ocidental em relação à Alemanha Oriental, rejeitou o apartheid na África do Sul, e apelou continuamente ao pensamento liberal, à tolerância e à justiça na sua escrita. Marion Dönhoff contou com o apoio dos principais políticos ao longo do seu percurso, entre eles Willy Brandt, Helmut Schmidt, e Richard von Weizsäcker. Ela não só superou os desafios de ser uma refugiada, perdendo muitos dos seus privilégios herdados e o seu lar, como também desafiou os papéis restritivos do género feminino do seu tempo...
continue lendo

Marion Dönhoff
1909 – 2002

"Sempre desejei poder ver o dia em que nos pudéssemos juntar de um lado do rio que nos divide para trocar ideias, depois atravessar a ponte juntos e continuar do outro lado".
Marion Condessa Dönhoff foi uma das jornalistas mais influentes da Alemanha do pós-guerra e editora do prestigioso semanário DIE ZEIT durante 30 anos. A nobre mulher altamente educada fugiu da Prússia Oriental durante a invasão russa em 1945 – a cavalo. Anteriormente, ela tinha estado a gerir o património familiar durante vários anos depois de regressar de extensas viagens pela Europa, África e América. Apesar de ter perdido o amor pela sua pátria prussiana oriental, ela promoveu o pensamento de “amar sem possuir”, em vez de defender a recuperação desses territórios. Durante a sua vida, trabalhou ativamente pela reconciliação entre os Estados do Bloco Oriental e do Ocidente, apoiou a política ativa da Alemanha Ocidental em relação à Alemanha Oriental, rejeitou o apartheid na África do Sul, e apelou continuamente ao pensamento liberal, à tolerância e à justiça na sua escrita. Marion Dönhoff contou com o apoio dos principais políticos ao longo do seu percurso, entre eles Willy Brandt, Helmut Schmidt, e Richard von Weizsäcker. Ela não só superou os desafios de ser uma refugiada, perdendo muitos dos seus privilégios herdados e o seu lar, como também desafiou os papéis restritivos do género feminino do seu tempo...
continue lendo

Marion Dönhoff
1909 – 2002

"Sempre desejei poder ver o dia em que nos pudéssemos juntar de um lado do rio que nos divide para trocar ideias, depois atravessar a ponte juntos e continuar do outro lado".
Marion Condessa Dönhoff foi uma das jornalistas mais influentes da Alemanha do pós-guerra e editora do prestigioso semanário DIE ZEIT durante 30 anos. A nobre mulher altamente educada fugiu da Prússia Oriental durante a invasão russa em 1945 – a cavalo. Anteriormente, ela tinha estado a gerir o património familiar durante vários anos depois de regressar de extensas viagens pela Europa...
continue lendo

Margarete Schütte-Lihotzky
1897 – 2000

Arquitetura e comunismo: A inventora da cozinha de Frankfurt
Magarethe Schütte-Lihotzky foi uma das primeiras arquitetas na Áustria. Tendo crescido na sociedade burguesa de Viena, ela entra em contacto com as realidades de vida da classe trabalhadora pobre durante os seus estudos. Isto desperta o seu interesse em melhorar as condições de vida através das novas habitações sociais emergentes. A sua contribuição mais famosa é a “cozinha de Frankfurt” (1926), que revolucionou a forma como as cozinhas são construídas. Schütte-Lihotzky concebeu a sua cozinha modular com a ideia de que os fluxos de trabalho podem ser otimizados como numa fábrica, a fim de facilitar a vida às mulheres que a utilizam e que (idealmente) teriam mais tempo para si próprias. Politicamente, ela simpatiza com os ideais comunistas depois de ter ficado desapontada com os partidos social-democratas europeus. Em 1930 é convidada a trabalhar em Moscovo para trabalhar em projetos de habitação social. Em 1939, junta-se ao Partido Comunista Austríaco (KPÖ). Depois de...
continue lendo

Margarete Schütte-Lihotzky
1897 – 2000

Arquitetura e comunismo: A inventora da cozinha de Frankfurt
Magarethe Schütte-Lihotzky foi uma das primeiras arquitetas na Áustria. Tendo crescido na sociedade burguesa de Viena, ela entra em contacto com as realidades de vida da classe trabalhadora pobre durante os seus estudos. Isto desperta o seu interesse em melhorar as condições de vida através das novas habitações sociais emergentes. A sua contribuição mais famosa é a “cozinha de Frankfurt” (1926), que revolucionou a forma como as cozinhas são construídas. Schütte-Lihotzky concebeu a sua cozinha modular com a ideia de que os fluxos de trabalho podem ser otimizados como numa fábrica, a fim de facilitar a vida às mulheres que a utilizam e que (idealmente) teriam mais tempo para si próprias. Politicamente, ela simpatiza com os ideais comunistas depois de ter ficado desapontada com os partidos social-democratas europeus. Em 1930 é convidada a trabalhar em Moscovo para trabalhar em projetos de habitação social. Em 1939, junta-se ao Partido Comunista Austríaco (KPÖ). Depois de...
continue lendo

Margarete Schütte-Lihotzky
1897 – 2000

Arquitetura e comunismo: A inventora da cozinha de Frankfurt
Magarethe Schütte-Lihotzky foi uma das primeiras arquitetas na Áustria. Tendo crescido na sociedade burguesa de Viena, ela entra em contacto com as realidades de vida da classe trabalhadora pobre durante os seus estudos. Isto desperta o seu interesse em melhorar as condições de vida através das novas habitações sociais emergentes. A sua contribuição mais famosa é a “cozinha de Frankfurt” (1926), que revolucionou a forma como as cozinhas são...
continue lendo

Gerda Taro
1910 – 1937

Pioneira da fotografia de guerra
Gerda Taro, anteriormente Gerta Pohorylle, nasceu em Estugarda e foi educada em Leipzig, Alemanha. Por ser de uma família judaica, foge dos nazis para Paris em 1933. Lá vive um estilo de vida boémio com a sua amiga Ruth Cerf e acaba por conhecer Endre Ernő Friedmann, mais conhecido hoje como Robert Capa. Juntos, começam a documentar a Guerra Civil Espanhola em 1935, depois de Gerda ter inventado os seus alter egos a fim de melhor venderem as fotografias de Endre e as suas próprias. Inspirados pelas suas próprias convicções políticas, apenas tiram fotografias da luta das tropas republicanas contra as tropas rebeldes franquistas. Ambos tentam estar o mais próximo possível da ação – um objetivo que acabou por levar à morte de Gerda. Apesar de as suas fotografias cobrirem apenas 1 ano de guerra, as suas fotografias são as que deram a volta ao mundo...
continue lendo

Gerda Taro
1910 – 1937

Pioneira da fotografia de guerra
Gerda Taro, anteriormente Gerta Pohorylle, nasceu em Estugarda e foi educada em Leipzig, Alemanha. Por ser de uma família judaica, foge dos nazis para Paris em 1933. Lá vive um estilo de vida boémio com a sua amiga Ruth Cerf e acaba por conhecer Endre Ernő Friedmann, mais conhecido hoje como Robert Capa. Juntos, começam a documentar a Guerra Civil Espanhola em 1935, depois de Gerda ter inventado os seus alter egos a fim de melhor venderem as fotografias de Endre e as suas próprias. Inspirados pelas suas próprias convicções políticas, apenas tiram fotografias da luta das tropas republicanas contra as tropas rebeldes franquistas. Ambos tentam estar o mais próximo possível da ação – um objetivo que acabou por levar à morte de Gerda. Apesar de as suas fotografias cobrirem apenas 1 ano de guerra, as suas fotografias são as que deram a volta ao mundo...
continue lendo

Gerda Taro
1910 – 1937

Pioneira da fotografia de guerra
Gerda Taro, anteriormente Gerta Pohorylle, nasceu em Estugarda e foi educada em Leipzig, Alemanha. Por ser de uma família judaica, foge dos nazis para Paris em 1933. Lá vive um estilo de vida boémio com a sua amiga Ruth Cerf e acaba por conhecer Endre Ernő Friedmann, mais conhecido hoje como Robert Capa. Juntos, começam a documentar a Guerra Civil Espanhola em 1935, depois de Gerda ter inventado os seus alter egos a fim de melhor venderem as fotografias de Endre e as suas próprias. Inspirados pelas suas próprias convicções políticas, apenas tiram fotografias da luta das tropas republicanas contra as tropas rebeldes franquistas. Ambos tentam estar o mais próximo possível da ação – um objetivo que acabou por levar à morte de Gerda...
continue lendo

Florbela Espanca
1894 – 1930

Rebelde afirmação de um destino no feminino
Nascida em Vila Viçosa no dia 8 de Dezembro de 1894, desde cedo a sua vida foi marcada por diversas instabilidades, que influenciaram profundamente a sua obra literária. A sua vida, de apenas 36 anos, vítima de suicídio, após o diagnóstico de um edema pulmonar, foi tumultuosa, inquieta e cheia de sofrimentos íntimos, que a autora soube transformar em poesia da mais alta qualidade, carregada de erotização e feminilidade. Em 1919, e entre mais de 300 alunos, Florbela foi uma das 14 mulheres a ser aceite na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Porém, as primeiras tentativas de promover as suas poesias falharam quando não conseguiu despertar a atenção de críticos literários. Florbela Espanca passou uma curta estadia em Guimarães – em Novembro de 1923 – enquanto recuperava de uma recaída, período em que contactou com algumas pessoas da pequena comunidade. As formas perfeitas e melodiosas da sua poesia retratam de modo fiel a vida na sua plenitude, com as vitórias e as derrotas, as alegrias e as desilusões, ditas sem pudores ou medos e por isso dando voz a um universo calado à época pelos usos e costumes. Irreverente, ousada e sonhadora, abriu horizontes que contribuíram para uma mudança de...
continue lendo

Florbela Espanca
1894 – 1930

Rebelde afirmação de um destino no feminino
Nascida em Vila Viçosa no dia 8 de Dezembro de 1894, desde cedo a sua vida foi marcada por diversas instabilidades, que influenciaram profundamente a sua obra literária. A sua vida, de apenas 36 anos, vítima de suicídio, após o diagnóstico de um edema pulmonar, foi tumultuosa, inquieta e cheia de sofrimentos íntimos, que a autora soube transformar em poesia da mais alta qualidade, carregada de erotização e feminilidade. Em 1919, e entre mais de 300 alunos, Florbela foi uma das 14 mulheres a ser aceite na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Porém, as primeiras tentativas de promover as suas poesias falharam quando não conseguiu despertar a atenção de críticos literários. Florbela Espanca passou uma curta estadia em Guimarães – em Novembro de 1923 – enquanto recuperava de uma recaída, período em que contactou com algumas pessoas da pequena comunidade. As formas perfeitas e melodiosas da sua poesia retratam de modo fiel a vida na sua plenitude, com as vitórias e as derrotas, as alegrias e as desilusões, ditas sem pudores ou medos e por isso dando voz a um universo calado à época pelos usos e costumes. Irreverente, ousada e sonhadora, abriu horizontes que contribuíram para uma mudança de...
continue lendo

Florbela Espanca
1894 – 1930

Rebelde afirmação de um destino no feminino
Nascida em Vila Viçosa no dia 8 de Dezembro de 1894, desde cedo a sua vida foi marcada por diversas instabilidades, que influenciaram profundamente a sua obra literária. A sua vida, de apenas 36 anos, vítima de suicídio, após o diagnóstico de um edema pulmonar, foi tumultuosa, inquieta e cheia de sofrimentos íntimos, que a autora soube transformar em poesia da mais alta qualidade, carregada de erotização e feminilidade. Em 1919, e entre mais de 300 alunos, Florbela foi uma das 14 mulheres a ser aceite na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Porém...
continue lendo

Maria José Estanco
1905 – 1999

Ironizavam que a obra não ficaria de pé… mas ficou a porta aberta às futuras arquitetas
Natural de Loulé, entrou para a Escola Superior de Belas-Artes, para realizar o curso de Pintura. Por razões familiares interrompeu os estudos e esteve no Brasil durante 2 anos, onde assistiu ao nascimento da cidade de Marília, trabalhando com o Engenheiro belga que dirigia a obra. Influenciada por esta experiência, quando regressou a Lisboa, matriculou-se em Arquitetura, onde, em 1942, recebeu o prémio de «melhor aluno de Arquitetura». Assim surgiu a primeira mulher arquiteta portuguesa. No entanto, e apesar de ter sido considerada a melhor aluna, não conseguia entrar no mundo do trabalho porque as mentalidades da época não conseguiam acreditar que uma mulher fosse capaz de realizar um projeto exequível. Até nos jornais apareceram caricaturas suas a troçar com a sua escolha profissional. Era tudo tão difícil que começou a dedicar-se à decoração de interiores e à criação de móveis. Gratuitamente, criou na...
continue lendo

Maria José Estanco
1905 – 1999

Ironizavam que a obra não ficaria de pé… mas ficou a porta aberta às futuras arquitetas
Natural de Loulé, entrou para a Escola Superior de Belas-Artes, para realizar o curso de Pintura. Por razões familiares interrompeu os estudos e esteve no Brasil durante 2 anos, onde assistiu ao nascimento da cidade de Marília, trabalhando com o Engenheiro belga que dirigia a obra. Influenciada por esta experiência, quando regressou a Lisboa, matriculou-se em Arquitetura, onde, em 1942, recebeu o prémio de «melhor aluno de Arquitetura». Assim surgiu a primeira mulher arquiteta portuguesa. No entanto, e apesar de ter sido considerada a melhor aluna, não conseguia entrar no mundo do trabalho porque as mentalidades da época não conseguiam acreditar que uma mulher fosse capaz de realizar um projeto exequível. Até nos jornais apareceram caricaturas suas a troçar com a sua escolha profissional. Era tudo tão difícil que começou a dedicar-se à decoração de interiores e à criação de móveis. Gratuitamente, criou na...
continue lendo

Maria José Estanco
1905 – 1999

Ironizavam que a obra não ficaria de pé… mas ficou a porta aberta às futuras arquitetas
Natural de Loulé, entrou para a Escola Superior de Belas-Artes, para realizar o curso de Pintura. Por razões familiares interrompeu os estudos e esteve no Brasil durante 2 anos, onde assistiu ao nascimento da cidade de Marília, trabalhando com o Engenheiro belga que dirigia a obra. Influenciada por esta experiência, quando regressou a Lisboa, matriculou-se em Arquitetura, onde, em 1942, recebeu o prémio de «melhor aluno de Arquitetura». Assim surgiu a...
continue lendo

Maria Isabel Aboim Inglez
1902 – 1963

A indomável, a mulher sem medo, Mulher duma tenacidade inabalável são vários os epítetos que lhe atribuíram e que hoje revisitamos
Aos 20 anos de idade casou com Carlos Aboim Inglez, cujo pai tinha sido ministro na 1ª República. Ambos democratas, a sua casa tornou-se um ponto de encontro de personalidades. Quando o seu marido adoeceu com cancro, ela decidiu, com 5 filhos, tirar uma licenciatura em Literatura. Torna-se viúva perto dos 40 anos e tem de trabalhar arduamente, porque foi perseguida por não ser católica e ser antifascista. Inicia a sua atividade política com o Movimento de Unidade Democrática sendo a primeira mulher a pertencer à comissão central (1946-1948) e mais tarde, em 1949 no Movimento Nacional Democrático, tendo uma participação ativa nas eleições presidenciais. Salazar utilizou 2 formas de repressão contra ela: não apenas prisão, foi presa 3 vezes entre 1946-1948 e impedindo-a de ganhar a vida por todos os meios. Em 1948, foi proibida...
continue lendo

Maria Isabel Aboim Inglez
1902 – 1963

A indomável, a mulher sem medo, Mulher duma tenacidade inabalável são vários os epítetos que lhe atribuíram e que hoje revisitamos
Aos 20 anos de idade casou com Carlos Aboim Inglez, cujo pai tinha sido ministro na 1ª República. Ambos democratas, a sua casa tornou-se um ponto de encontro de personalidades. Quando o seu marido adoeceu com cancro, ela decidiu, com 5 filhos, tirar uma licenciatura em Literatura. Torna-se viúva perto dos 40 anos e tem de trabalhar arduamente, porque foi perseguida por não ser católica e ser antifascista. Inicia a sua atividade política com o Movimento de Unidade Democrática sendo a primeira mulher a pertencer à comissão central (1946-1948) e mais tarde, em 1949 no Movimento Nacional Democrático, tendo uma participação ativa nas eleições presidenciais. Salazar utilizou 2 formas de repressão contra ela: não apenas prisão, foi presa 3 vezes entre 1946-1948 e impedindo-a de ganhar a vida por todos os meios. Em 1948, foi proibida...
continue lendo

Maria Isabel Aboim Inglez
1902 – 1963

A indomável, a mulher sem medo, Mulher duma tenacidade inabalável
Aos 20 anos de idade casou com Carlos Aboim Inglez, cujo pai tinha sido ministro na 1ª República. Ambos democratas, a sua casa tornou-se um ponto de encontro de personalidades. Quando o seu marido adoeceu com cancro, ela decidiu, com 5 filhos, tirar uma licenciatura em Literatura. Torna-se viúva perto dos 40 anos e tem de trabalhar arduamente, porque foi perseguida por não ser católica e ser antifascista. Inicia a sua atividade política com o Movimento de Unidade Democrática sendo a primeira mulher a pertencer à comissão...
continue lendo

Ilka Burger Vašte
1891 – 1967

Rebelde durante toda a sua vida
Sou ILKA BURGER VASTE (1891-1967), uma das escritoras eslovenas mais prolíficas, romancista e escrevi dez romances históricos. Frequentei um colégio de professores secundários e servi como professora na Escola do Método Cyril em Trieste e depois na escola das raparigas em Ljubljana. Interessei-me por literatura e pintura, que aprendi com Ivana Kobilica, uma famosa pintora eslovena feminina. Os meus primeiros contos de fadas foram publicados em 1921 e os jovens adoravam-nas. No meu romance Mejaši (Neigbours at the border) reavivei a luta nacional dos eslovenos contra os Lombardos. Eu era conhecido pelas...
continue lendo

Ilka Burger Vašte
1891 – 1967

Rebelde durante toda a sua vida
Sou ILKA BURGER VASTE (1891-1967), uma das escritoras eslovenas mais prolíficas, romancista e escrevi dez romances históricos. Frequentei um colégio de professores secundários e servi como professora na Escola do Método Cyril em Trieste e depois na escola das raparigas em Ljubljana. Interessei-me por literatura e pintura, que aprendi com Ivana Kobilica, uma famosa pintora eslovena feminina. Os meus primeiros contos de fadas foram publicados em 1921 e os jovens adoravam-nas. No meu romance Mejaši (Neigbours at the border) reavivei a luta nacional dos eslovenos contra os Lombardos. Eu era conhecido pelas...
continue lendo

Ilka Burger Vašte
1891 – 1967

Rebelde durante toda a sua vida
Sou ILKA BURGER VASTE (1891-1967), uma das escritoras eslovenas mais prolíficas, romancista e escrevi dez romances históricos. Frequentei um colégio de professores secundários e servi como professora na Escola do Método Cyril em Trieste e depois na escola das raparigas em Ljubljana. Interessei-me por literatura e pintura, que aprendi com Ivana Kobilica, uma famosa pintora eslovena feminina. Os meus primeiros contos de fadas foram publicados em 1921 e os jovens adoravam-nas. No meu romance Mejaši (Neigbours at the border) reavivei a luta nacional dos eslovenos contra os Lombardos. Eu era conhecido pelas...
continue lendo